sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

A SOBERANIA DE DEUS

Por Rev. G. Van Baren.

Muitas pessoas negam a Deus e Seu controle sobre todas as coisas. Insistem em caminhar em sua própria ignorância, pois rejeitam o testemunho bíblico. No entanto, muitos cristãos também parecem incertos quanto à extensão do poder e do controle soberano de Deus. Estão dispostos a conceder que Deus salva os pecadores, mas não têm certeza se Deus pode realmente levar a cabo Seu propósito. Tais crentes concordam que Deus envia todas as coisas boas, mas não estão dispostos a crer que Ele envie também guerras e enfermidades. Estão sempre a postos para afirmar que Deus guia e orienta as pessoas de bem – mas negam que os homens maus e perversos também estejam sob o controle e a direção do Todo-Poderoso.

Uma das verdades defendidas histórica e enfaticamente pelas igrejas reformadas (calvinistas) é a da soberania do nosso Deus. A soberania de Deus refere-se ao governo total e absoluto de Deus sobre todas as coisas, um tipo de governo que somente Deus possui. A soberania de Deus não tem limitações e é um direito pessoal de Deus. Ele não é o dirigente de uma espécie de democracia na qual o governo é exercido de acordo com a vontade da maioria. Antes, o governo e a autoridade pertencem exclusivamente a Deus, e Ele os exercita plenamente em Sua criação. Ele é soberano. Nada nem ninguém escapa à Sua vontade.

Esta é uma verdade vital. Se abandonada ou distorcida, não resta nada senão doutrinas e opiniões contrárias à Palavra de Deus. Considere essa questão à luz do ensino bíblico.

Em primeiro lugar, a soberania de Deus inclui o fato de que Ele formou todo o universo por meio de Sua poderosa Palavra, além de preservar a existência do mesmo. Esse é um fato assombroso! O universo em si mesmo é tão vasto que o homem não sabe como descrever seu começo ou fim. O número de estrelas é tão grande que é praticamente incontável. A energia lançada ao espaço por esses corpos celestiais não pode ser medida.

Alguns afirmam que é impossível conhecer a origem do universo. Alguns sugerem que ele é eterno, que sempre existiu. Mas a Bíblia simplesmente diz que “no princípio Deus criou os céus e a terra” (Gn 1.1) e que “pela fé entendemos que o universo foi formado pela palavra de Deus, de modo que aquilo que se vê não foi feito do que é visível” (Hb 11.3). Deus criou o universo e está infinitamente acima e além do universo. Como disse Salomão ao orar pela dedicação do templo em Jerusalém: “Mas será possível que Deus habite na terra? Os céus, mesmo os mais altos céus, não podem conter-te. Muito menos este templo que construí!” (1Rs 8.27).

Mas a soberania de Deus não está limitada à criação do universo. Ele é soberano e dirige e governa tudo o que acontece. Deus coloca o mar dentro de seus limites: “Quem represou o mar pondo-lhe portas, quando ele irrompeu do ventre materno?” (Jó 38.8). E novamente: “Ele cobre o céu de nuvens, concede chuvas à terra e faz crescer a relva nas colinas” (Sl 147.8). Não é surpreendente que Deus faça cada gota de chuva cair onde Ele quer? Sim, Ele faz cada floco de neve cair de acordo com a Sua vontade. E essa não é toda a extensão de Seu poder. O poder de Deus se estende sobre as aves dos céus e mesmo sobre os cabelos de nossas cabeças. Jesus disse: “Não se vendem dois pardais por uma moedinha? Contudo, nenhum deles cai no chão sem o consentimento do Pai de vocês. Até os cabelos da cabeça de vocês estão todos contados” (Mt 10.29,30).

E ainda mais surpreendente é o fato de que Deus dirige as guerras, a peste, as enfermidades, as calamidades e os vendavais sobre a terra. Deus não envia somente a paz, Ele também ordena a guerra. Ele não somente concede saúde, mas também envia a enfermidade e a morte. Deus diz em Isaías 45.7: “Eu formo a luz e crio as trevas, promovo a paz e causo a desgraça; eu, o SENHOR, faço todas essas coisas”. E lemos no Salmo 46.8: “Venham! Vejam as obras do SENHOR, seus feitos estarrecedores na terra”. Portanto, quando os cristãos ficam sabendo ou mesmo se deparam com terríveis tempestades ou tornados, quando eles testemunham a destruição causada pelas epidemias, quando eles veem a ruína e a devastação das guerras, deixem que eles confessem: “A mão do Senhor dirige todas essas coisas”.

Há algo ainda mais maravilhoso a respeito da soberania de Deus. Seu governo alcança ainda os homens mais perversos – e até mesmo o diabo. Muitos negam isso. Frequentemente sugerem que Deus influencia e dirige os homens “bons”, mas os homens perversos e os demônios seriam forças menores alheias ao governo divino. Admitem que Deus pode frustrar os planos diabólicos dessas forças das trevas, mas afirmam que elas são, fundamentalmente, forças independentes. Se essa opinião fosse correta, haveria uma séria limitação ao poder e à soberania de Deus. O fato, no entanto, é que Deus é soberano também com respeito ao mal e aos agentes da maldade. Eles não podem levantar um só dedo, não podem levar a cabo nenhum ato perverso sem que estejam debaixo do controle absoluto de Deus.

A Escritura demonstra cabalmente a veracidade de nossas afirmações. Em Êxodo, capítulos 3 e 4, lemos que Moisés, que havia fugido do Egito, pastoreava os rebanhos de seu sogro Jetro. Esta era a sua ocupação havia muitos anos. Porém, de repente, Deus mudou a vida de Moisés. Deus se encontrou com Moisés na sarça que ardia sem se consumir, ordenou-lhe que fosse a Faraó e que ordenasse ao rei do Egito que libertasse o povo de Deus. Mas então, Deus disse a Moisés: “Quando você voltar ao Egito, tenha o cuidado de fazer diante do faraó todas as maravilhas que concedi a você o poder de realizar. Mas eu vou endurecer o coração dele, para não deixar o povo ir” (Ex 4.21). Como resultado desse ato de Deus, o coração de Faraó se endureceu. E apesar de Deus ter endurecido o coração de Faraó, o próprio Faraó é que foi responsabilizado e terrivelmente castigado, por meio das dez pragas, pelo seu pecado de resistir a Deus.

E por que Deus endureceria o coração de Faraó? O Apóstolo Paulo responde em Romanos 9.17: “Pois a Escritura diz ao faraó: Eu o levantei exatamente com este propósito: mostrar em você o meu poder, e para que o meu nome seja proclamado em toda a terra”.

Outros exemplos são mencionados nas Escrituras. Em 1Reis 22, Ahab busca o conselho de seus falsos profetas para enfrentar a Síria. Esses falsos profetas, de forma unânime, o aconselharam a guerrear contra os sírios, assegurando-lhe a vitória. Mas então Ahab chamou um profeta de Deus, Micaías. Micaías explicou ao rei que Deus havia colocado um espírito mentiroso na boca daqueles falsos profetas, para que Ahab fosse morto em batalha. Deus era soberano mesmo sobre aqueles falsos profetas!

Isso não é tudo. Mesmo o diabo está sob o controle direto de Deus. Possivelmente a evidência mais clara a esse respeito encontra-se no livro de Jó. No primeiro capítulo lemos que Satanás comparece diante de Deus. Deus chama a atenção de Satanás para Jó, “irrepreensível, íntegro, homem que teme a Deus e evita o mal” (Jó 1.8). “Será que Jó não tem razões para temer a Deus?”, retrucou Satanás (v.9). Então Deus diz a Satanás: “Pois bem, tudo o que ele possui está nas suas mãos; apenas não toque nele” (v. 12). Assim Deus deu a Satanás um poder específico, porém limitado, para levar a cabo seu malvado desígnio de tentar fazer Jó amaldiçoar a Deus.

Mas a Bíblia revela mais e surpreendentes provas da soberania de Deus. Esse Deus Todo-Poderoso, por meio de Seu próprio poder, salva o Seu povo do pecado e da morte e o leva em segurança ao lar celestial. Muitos pregadores equivocados podem sugerir que Deus não pode salvar o pecador, que essa é uma escolha puramente humana. Sugerem que Jesus bate à porta do pecador insistentemente, do lado de fora, chamando à porta. A ação decisiva que leva à salvação deve ser tomada pelo homem. Mas não é isso o que a Bíblia ensina. Em Jeremias 31.18,19 lemos: “Ouvi claramente Efraim lamentando-se: Tu me disciplinaste como a um bezerro indomado, e fui disciplinado. Traze-me de volta, e voltarei, porque tu és o SENHOR, o meu Deus. De fato, depois de desviar-me, eu me arrependi; depois que entendi, bati no meu peito. Estou envergonhado e humilhado porque trago sobre mim a desgraça da minha juventude”. E lemos sobre a pregação dos missionários Paulo e Barnabé: “Ouvindo isso, os gentios alegraram-se e bendisseram a palavra do Senhor; e creram todos os que haviam sido designados para a vida eterna” (At 13.48). Em outra viagem missionária, Paulo pregou a um grupo de mulheres às margens de um rio. Uma dessas mulheres chamava-se Lídia. Sobre ela a Bíblia declara: “Uma das que ouviam era uma mulher temente a Deus chamada Lídia, vendedora de tecido de púrpura, da cidade de Tiatira. O Senhor abriu seu coração para atender à mensagem de Paulo” (At 16.14).

A soberania de Deus também torna-se evidente na crucificação de Jesus. Ao examinar os eventos da crucificação, poder-se-ia pensar que Deus perdeu o controle. Aparentemente Satanás esteve prestes a vencer. Mas isso foi exatamente o que não aconteceu! Deus tinha todas as coisas sob controle na cruz. Tudo o que aconteceu, aconteceu em harmonia com o Seu propósito. É assim que Pedro explica aos seus ouvintes no Pentecoste, quando disse: “Este homem lhes foi entregue por propósito determinado e pré-conhecimento de Deus; e vocês, com a ajuda de homens perversos, o mataram, pregando-o na cruz” (At 2.23). Deus havia determinado que a cruz deveria vir – mas homens perversos tomaram e crucificaram Jesus. Assim, Deus utilizou a má ação de homens maus para cumprir Seu glorioso propósito.

É também esse mesmo soberano e todo-poderoso poder de Deus que Ele exerce preservando Seu povo na salvação que Ele nos concede. Lemos em Filipenses 1.6: “Estou convencido de que aquele que começou boa obra em vocês, vai completá-la até o dia de Cristo Jesus”.

O Deus soberano revelou Seu controle absoluto sobre todas as coisas, salvando Seu povo do pecado e levando-o à glória celestial.

É importante que o cristão fiel sustente esse ensino bíblico a respeito da soberania de Deus? Certamente! A própria razão de ser do universo é para que o nome de Deus seja grandemente exaltado. Tudo o que aconteceu, tudo o que está para acontecer deve servir ao propósito de glorificar a Deus. Ninguém nem nada poderá tentar tirar qualquer coisa da soberania do nosso Deus.

A marca característica de toda heresia é comprometer a verdade da soberania de Deus. O homem introduzirá tudo o que exalta ao homem, tudo o que exalta o poder e a habilidade do homem, ou aquilo que faz com que o homem tenha certa capacidade para merecer ou conquistar algo de Deus. Ou então deliberadamente tentam sugerir que outros possuem um poder independente de Deus.

Mas a marca de um verdadeiro cristão e de uma verdadeira igreja cristã é crer e confessar a verdade bíblica da absoluta soberania de Deus. Toda doutrina, toda confissão de fé deve estar alicerçada sobre a verdade da soberania de Deus. Qualquer coisa que diminua essa verdade deve ser rejeitada. A verdadeira doutrina bíblica revela a verdade de que Deus é o único Soberano do universo.

O cristão também deve viver e andar no conhecimento dessa verdade. Muitas vezes alguém pode pensar a respeito de si mesmo como se fosse independente – livre do poder e da autoridade de Deus. Uma pessoa não busca o rosto de Deus em oração como deveria. Ou não apóia a causa do Reino de Deus, como um filho fiel é chamado a fazê-lo. Encontra prazer neste mundo com toda a sua luxúria. Tal indivíduo vive como se Deus não fosse o único Soberano.

Que maravilhosa verdade é a confissão da soberania de Deus! Meu Deus é Aquele que ouve e pode responder minhas orações. Meu Deus dirige todas as coisas para o bem (Rm 8.28). Porque meu Deus é absolutamente soberano, não há coincidências nem casualidades que possam sobrevir a mim. E certamente na casa do Senhor morarei eternamente – meu Deus soberano faz com que assim seja por meio de Seu Filho, Jesus Cristo.

Que consolação, que segurança é para o cristão conhecer e confessar a soberania de Deus. Não há nada que nos possa separar do amor de Deus. “Pois estou convencido de que nem morte nem vida, nem anjos nem demônios, nem o presente nem o futuro, nem quaisquer poderes, nem altura nem profundidade, nem qualquer outra coisa na criação será capaz de nos separar do amor de Deus que está em Cristo Jesus, nosso Senhor” (Rm 8.38,39). Isso é verdade porque Deus é o Deus Soberano. Sim, graças a Deus que Ele é soberano!

2 comentários:

Cléber Zavadniak disse...

Que bom site, irmãos! Parabéns! Que Deus os abençoe, tanto no blog quanto no ensino da Sã Doutrina!
Vim parar aqui via link colocado num comentário do O Tempora, O Mores. Fiquei feliz com o que encontrei.
Irmãos, sou programador web e quero, humildemente e com toda a bondade, sugerir que revejam a questão do fundo preto e letras brancas. Vide http://agenciawx.com.br/fundo-preto.

Sou mantenedor do http://reformados.com.br. Em breve estaremos linkando alguns de seus bons posts.

Abraço!

Fábio Vaz disse...

Prezado Cléber, obrigado pelo seu comentário e fique à vontade para lincar nossos posts. Vamos ver, sim, essa questão do fundo preto. Grande abraço.